Archive for the ‘tendências’ Category

Globo e Record: parece até guerra de preço

abril 8, 2008

Domingo é o pior dia para assistir televisão, até nos canais pagos – mesmo com o reprise de diversos programas e seriados que nós não temos tempo de acompanhar durante a semana.

Ontem, enquanto estava procurando o que fazer na internet, deixei ligado no canal Record. Não pude deixar de prestar atenção no sensacionalismo que eles fizeram sobre o caso Isabella. Aproveito até para indicar o post da Sam Shiraishi: uma crítica ao exagero da mídia em notícias que chocam o Brasil – que, na minha opinião, só chocam por causa da própria mídia. (e aproveito também para divulgar o Nossa Via, site recheado de assuntos para todos os gostos e, claro, muito interessantes).

Mas o que vou falar não é do sensacionalismo. Vou falar da guerra cada vez mais escancarada entre a Globo e a Record. Exemplo rápido para não perder o fio da meada: o programa Domingo Espetacular criticou há algumas semanas a novela Duas Caras da Globo por abordar o fanatismo de evangélicos. Ontem, no Fantástico, um pastor evangélico gravou cenas de pessoas torturadas (que na verdade já estavam senteciadas à morte pelo tráfico), mas que eram salvas antes por ele.

Antes fosse coincidência, mas é pura concorrência. O produto é o conteúdo do canal, nós telespectadores somos o consumidor final. Como o mercado não é estável e é altamente competitivo, ele nos oferta novos tipos de produtos – TV a cabo está se popularizando mais rápido do que antigamente – em um curto espaço de tempo. Em quesito de liderança, percebe-se que a Globo está desesperada com um concorrente que, há uns dois ou três anos, não era caracterizado como uma ameaça de audiência. A Record conseguiu atingir a mesma “qualidade” – coloco em aspas, pois não enxergo qualidade alguma – que a Globo possui.

(more…)

Anúncios

Yahoo! resiste à Microsoft

abril 7, 2008

A novela mexicana sobre a venda do Yahoo! ainda não acabou. E pode esperar por novos capítulos. Mesmo pressionando o Yahoo! com um ultimato cujo prazo máximo foi de três semanas, a Microsoft pelo jeito ainda não conseguiu o que queria. Yahoo! se pronunciou hoje dizendo que – vou colocar no português claro – não venderá seus ativos a preço de banana.

Para mostrar que não é um zero a mais à esquerda no mercado de ações, o Yahoo! está preparando um sistema de anúncios na internet, Amp, cuja pretensão (e ousadia também por pensar dessa maneira) é agitar o mercado publicitário – aliás, o que será que o Google pensa sobre isso? Ainda hoje o Yahoo! divulgará um vídeo demonstrativo dessa nova ferramenta.

Minha opinião: agora é tarde para fazer birra e tentar mostrar que ainda tem algum valor frente aos seus grandes concorrentes. Google partiu de uma idéia de dois jovens universitários e hoje é um fenômeno, para não dizer referência no mundo todo. Microsoft teve seu ápice revolucionário com um sistema operacional amigável cujas ferramentas têm utilidade para trabalho e casa. Entretanto, parece ter parado no tempo – com a ilusão de que seu portifólio de produtos é imbatível – e não percebe que seu monopólio está se desfragmentando aos poucos. Isso graças à tendência de participação e colaboração dos usuários (e também de internautas) para criar uma ferramenta que, além de ter todas as funções básicas que a Microsoft disponibilizou até hoje através de um emaranhado de licenças, é de acesso a todos e, o melhor, de graça.

Quem sai na frente no meio dessa briga de gigantes? Nós, é claro.

José Brandão & Jacacarambola

Notícias complementares:
Yahoo not opposed to Microsoft deal at right price

NewsCamp: desconferência no mundo jornalístico

abril 3, 2008

Não sou jornalista, mas resolvi me inscrever. E resolvi também divulgar para quem estiver interessado, principalmente para quem é ativo no ramo de comunicação. A primeira edição rendeu bons assuntos, apesar de algumas opiniões adversas – mas isso é normal, não é possível agradar gregos e troianos.

Como principiante, não me arrisco a abordar ou incitar algum tema para os debates durante a desconferência. Renato Cruz, Lucia Freitas e Gabriel Tonobohn já deram sua contribuição para o Esquenta do NewsCamp.

Como marketeiro, creio que o assunto mais próximo seja Relações Públicas. Já falei um pouco do que sei nesse post. Se valer como tópico para o dia do encontro (dependendo do interesse dos participantes): abordar os desafios que RP tem em trabalhar com o mundo online. Como mensurar o retorno de um press release? Quais os canais para disseminar com mais eficiência o seu press release? Vale a pena pagar um site de PR online?

Fica aqui minha sugestão. Se quiser saber de mais detalhes, basta acessar o site oficial do NewsCamp.

NewsCamp – II Edição – a desconferência de Jornalistas 2.0
Onde: Gafanhoto – Av. Rebouças, 3181 – São Paulo – SP
Quando: 12 de abril – sabádo
Horário: 9h00 às 17h00
Inscrição: enviar email para aghanael@gmail.com ou evasques@gmail.com com a palavra “Newscamp” no assunto!

O Futuro do marketing e da propaganda

março 24, 2008

Hoje eu vi no versão txt uma apresentação do planner americano Paul Isakson que faz um levantamento de algumas ações que validam algumas perpectivas já apontadas por outros autores sobre o futuro do marketing e da propaganda.

Tratando de assuntos como brands, new marketing, innovation e utility, Isakson coloca o produto como a melhor estratégia de marketing. Citando as marcas Google, Apple, Wii e Starbucks.

Como não poderia deixar de faltar uma alfinatada na propaganda tradicional:
“Os dias de fazer coisas engraçadas que podem ou não ter um efeito sobre o cliente estão terminando”, afirma Jeff Benjamin, Interactive Creative Director da Crispin Porter + Bogusky

Cada vez mais me convenço que o futuro da propaganda está na participação mais ativa no marketing dos clientes. O case Nike+ onde um tennis Nike conversa com um Ipod, que é citado em um dos slides, é um exemplo claro disto, onde a ideia partiu da agência para concepção de um produto, ou melhor, de uma tecnologia.

Vejam os slides abaixo que conta com nomes de peso do mundo do marketing e da publicidade. Entre os clientes Apple, Unilever e Sony, e agências como Crispin Porter + Bogusky, R/GA e AQKA entre outros.

Gilson Pessoa e JacaCarambola